[Resenha] Contos Para Uma Noite Fria

29 de agosto de 2015

   
Ótimo!
Ilustrações: Dandi | Diagramação Marcelo Amado / Página 42| Páginas: 117 | Lançamento: 2014 | Primeira Edição | Skoob | Comprar | Livro cedido em parceria pela Llyr Editorial (Vermelho Marinho).
“Duas obsessões: o tempo e a loucura."

 Oi, pessoas! Eita, estou recheado de resenhas aqui para vocês, e agora é da Editora Vermelho Marinho, super comentada aqui no blog, não é mesmo?! Pois bem, eles estão com uma nova aposta, que inclusive o autor da obra trabalha na editora. O livro é nomeado “Contos para uma noite fria”, onde encontramos alguns contos com premissas interessantes e misteriosas que podem encantar facilmente qualquer leitor.

 Logo no prefácio conhecemos um pouco sobre o autor através do seu professor do Ensino Médio, Rogério e ele nos apresenta algumas coisas que iremos conhecer no decorrer da leitura, tipo uma degustação dos contos. Não é novidade alguma, mas eu adoro contos e acabo lendo mais de romance/aventura, até que gostei dos enredos, o autor foca bem do medo e no sobrenatural, medo de alguém, e com isso ele fala algumas situações presentes nessa ameaça psicológica, e pude perceber o quão sobrenatural são os finais das história, que sempre acabam deixando alguma dúvida proporcional, mas avisando que o livro não é um livro que dê medo e coisas do tipo.


 Infelizmente não posso dizer para vocês qual foi o meu conto favorito, pois foram praticamente todos, mas “O Germe da Imaginação” me trouxe pontos de reflexão e o personagem me conquistou logo nas primeiras páginas e também temos a menção de algumas obras bastante conhecidas, realmente a história desse professor foi fantástica e fascinante, mesmo sendo narrado em terceira pessoa acho que a história ficaria melhor nesse "formato" mesmo, a escrita do autor me surpreendeu e adorei o tamanho da criatividade em relacionar o medo com acontecimentos e também os pontos que me levaram para uma “investigação literária”. 


 Há uma mistura entre primeira e terceira pessoa nos contos, acho que os que mais gostei foram os de terceira, mesmo preferindo o formato de primeira (rs) e assim que conheci a capa eu me apaixonei, também acontece que eu já conversei um pouco com o Bruno e acho ele super simpático, e isso favoreceu para eu ficar doido em conhecer sua escrita e claro né, essa capa totalmente linda que demonstra um universo ainda mais louco do que o mundo de cabeça para baixo, e assim surgiu a proposta da capa.



 Por final, recomendo a todos esse livro, me ganhou do início ao fim, e para quem gosta de enredos desse gênero será uma leitura prazerosa, e mesmo que não aprecie contos eu sugiro que leiam a obra, a diagramação está lindíssima e é recheado de ilustrações no início dos capítulos, a ilustradora,Dandi, me encantou ainda mais com suas ilustrações! Enfim, desejo para você uma boa leitura e me conte a sua opinião a respeito desse livro.


"O amor é mais forte do que a morte, li certa vez, em algum lugar. Então percebi que, naquela noite, também me uniria a eles. Eu havia encontrado, afinal, o meu caminho."

[Resenha] A Playlist de Hayden

28 de agosto de 2015

   
Bom!
Livre: Playlist for the dead | Tradução: Amanda Orlando | Páginas: 285 | Lançamento: 2015 | Primeira Edição | Skoob | Comprar | Livro cedido em parceria pela Novo Conceito.
“Para Sam. Ouça. Você vai entender."

 Olá, gentes! Sim, mais uma resenha, dessa vez é do livro bastante comentado graças as primeiras impressões de alguns blogs e por ser bem divulgado pelo Grupo Editorial Novo Conceito. Para início da resenha, temos uma questão, o que você faria que quando você tentasse acordar seu melhor amigo/amiga ele estivesse morto?

 Isso aconteceu com Sam, um rapaz que nos conta desde o prólogo a sua vivência com o seu amigo Hayden, que após sair de uma festa totalmente chapados, voltando para casa, Sam convidou seu amigo para dormir na sua casa (porque né, o carinha não tava bem de tanta vodca, deitou e dormiu) e ele sabe que Hayden tem um sono bastante pesado, e a sua mãe também achava isso, mas quando o garoto tentou acordar seu amigo acabou que descobriu que Hayden estava morto ~não é spoiler~.



 Percebendo que Hayden não acordara mais, Sam tentou fazer o máximo possível para ajudar seu amigo e outra coisa que ele percebeu enquanto tentava levantar seu amigo, foi um bilhete escrito “Para Sam. Ouça. Você vai entender.", junto com um pen drive recheado de músicas, mas então surge dúvidas ao leitor, por quê uma playlist? 

 Logo nos primeiros capítulos sabemos que Sam não consegue ter pernas para ir ao funeral do seu amigo, parece apenas um sonho, mas acabou virando um pesadelo em sua vida. Curioso com o tal pen drive, Sam, resolve escutar as músicas na playlist e isso favorece com que ele ligue as músicas com algumas situações, outro ponto é que eu achei confuso ter a presença de algumas músicas nos capítulos sem nenhum significado.



 Eu estava com bastante empolgação para conhecer o enredo, a proposta dele me aparentou ser interessante, e traz assuntos totalmente polêmicos, entre eles o bullying, e alguns comentários a respeito sobre ele eram razoáveis, entretanto achei alguns momentos entediantes e caótico, mas em suma foi uma boa história, com momentos de drama e mistério, o final acabou favorecendo para que não deixasse a nota do livro ruim, que por sinal foi surpreendente, mas senti uma falta da escritora falar mais a respeito de Hayden, pois só no início ela foca no rapaz (e pouco na metade, claro).

 A diagramação dessa obra literária é bem chamativa, a capa com os tons azuis me chamaram atenção desde o início e por dentro temos fontes simples mas que acabaram dando um charme no livro. Eu indico esse livro para quem gosta desse gênero, mas não se empolgue tanto para querer adquirir, pense duas vezes, leia outras resenhas e chegue a conclusão, e também mesmo “A Playlist de Hayden” apresentando uma certa quantidade de personagens não atrapalhou em momento algum. O que realmente a leitura mostrou? Foi que mesmo você apresentando um contato próximo com a pessoa, você não sabe o que realmente ela é, e isso acontece até escutar e relembrar alguns momentos ao lado dela.


"As pessoas vão falar um monte de coisas. Algumas dessas coisas serão úteis, outras serão irritantes e algumas vão te dar nos nervos. Mas elas lhe dirão essas coisas porque as ouviram de outras pessoas ou porque acham úteis quando perderam alguém. A intenção é boa."

[Resenha] Neve na Primavera

25 de agosto de 2015

   
Ótimo!
Tradução: Rafael Gustavo| Páginas: 333 | Lançamento: 2015 | Primeira Edição | Skoob | Comprar | Livro cedido em parceria pela Novo Conceito.
“SEATLE, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar."

 E aí, galerinha! Yeah, mais uma resenha \õ/ Com todo enredo misterioso, “Neve na Primavera” apresenta a história de duas mulheres e uma criança que acabam se entrelaçando, Claire Aldridge é uma jornalista que a única motivação do seu dia, é o seu jornal, tudo está por água abaixo,seu casamento um acidente que enfrentou acaba piorando cada vez mais, e também temos Vera Ray, mãe de Daniel, moça trabalhadora, que por mais que seu salário seja pouco, garante o sustento do seu filho. 

 Narrado em primeira pessoa, temos a mudança de personagem nos capítulos, logo de primeira temos a Vera, no dia 1º de maio de 1933, dando sua despedida de boa noite para seu filho, porém o que ela não sabe, é que poderá ser a última, e logo 2º de maio de 2010 conhecemos a Claire, percebemos que a uma “previsão” do que vai acontecer, como depois de 77 anos poderá acontecer algo esclarecedor?


 Simples, a cada segunda vez em setenta anos em Seattle ocorre uma tempestade de neve fora da época, e naquele mesmo dia em anos atrás Vera acaba descobrindo que seu filho está desaparecido. Após longos anos, Claire se interessou por essa história do desaparecimento e resolveu desvendar todo esse mistério que aconteceu, que por mais de anos acabou ficando sem solução alguma, e aí temos a questão do que ira acontecer com a jornalista e porque esse interesse em descobrir a verdadeira história que aconteceu no passado?

 Meus motivos para ter solicitado esse livro foi que muitas pessoas já comentaram sobre “As Violetas de Março”, que inclusive é uma obra que faz parte da minha wishlist e segundo foi a capa de "Neve na Primavera", que desde já tive um amor pela fonte do título. Essa aposta literária da Novo Conceito me conquistou e até tive pensamentos que ele poderia ser clichê, mas não, foi muito bem escrito e esse laço com drama e mistério foi genial, eu adoro nevascas e claro, Seattle também.




 Por final, tenho que avisar que a diagramação ficou bem bacana, simples, mas que deixou um charme no livro, deixo a vocês uma pequena sugestão de livro com narrativa fluída e com uma trama que deixa o leitor totalmente curioso para a real causa do desaparecimento, o que aconteceu com o Daniel Ray e o que envolve a jornalista nessa história, o final foi surpreendente, e até peguei uns spoilers (né, Amanda?), mas não deixou de ser um ótimo livro e que merece ser lido por vocês.


Todos nós nos comportamos de forma distinta diante do trauma e da agonia (...). Algumas pessoas agem impulsivamente; outras se reprimem – contendo a dor e guardando-a bem no fundo, deixando-a se formar e inflamar, e era assim que eu agia desde o terror que vivera no último mês de maio.

[Resenha] Sedução no Convento

22 de agosto de 2015


   
Bom!
Revisão: Magna R. Theobaldo | Páginas: 165 | Lançamento: 2015 | Primeira Edição | Skoob | Compre | Livro cedido em parceria pela Companhia Editora Nacional.
“Dois corpos cedem ao prazer, duas almas cedem o amor."

 Oi, pessoal! Tudo bem? Hoje venho trazer minha opinião do mais novo lançamento da Companhia, que se passa em uma época totalmente encantadora. Em "Sedução no convento" conhecemos a história de um casal, que um é bastante desejado pelo outro, onde temos a paixão intensa do jovem orfão Marcel, nascido em 1960, na cidade de Saint-Malo, por uma noviça chamada Collete

 A vida do rapaz não é fácil, ele perdeu sua mãe no parto e seu pai já havia falecido pouco antes dele nascer, eles eram uma pobres e nenhum membro da família quis abrigá-lo em suas casas, por sorte ele acabou sendo escolhido por irmãs de um orfanato.  Marcel desde cedo já trabalhava, assim que foi alfabetizado começou a ajudar na limpeza e por fim, no campo. 

 Ao passar do tempo, a sua "solidão" acabou o  tornando um rapaz forte e corajoso, e assim era desejado praticamente por todas as mulheres, mas ele sempre teve uma paixão maior por Collete, uma noviça do convento que ele era empregado e assim que avistou a moça seu coração disparou, cada vez que encontrava com ela se sentia mais atraído e desejado. Mas será que esse amor poderia dar certo?




 O enredo se passa totalmente em um piscar de olhos, durante a escrita pude perceber que eles nos traz um pouco de informações sobre a época e a cidade, porém, a leitura não funcionou totalmente comigo, o fato de ter uma repetição de fatos e até mesmo pode-se considerar o Marcel um cafajeste em algumas partes (algumas eles tinham também uma metáfora interessante, e outras eram totalmente confusas), mas podemos notar que ele não quer apenas prazer e sim, amor, ele já ficou com algumas moças totalmente por "diversão", mas assim que encontrou a noviça ele se apaixonou completamente por Collete e só pensa nessa mulher tão sedutora, o que irritou foi que a maioria de seus pensamentos era sobre sexo. 

 Se você gosta de coisas sobre época e cenas picantes irá gostar, entendo que Marcel está se descobrindo junto com a moça, mas as vezes fica meio entendiante algumas de suas relações, e também ele gostava de falar muito a respeito de quão ele era bonito, e desejado pelas moças. Em suma, o que mais gostei foi o final, que mesmo ser bem rápido, acabou chegando ao ponto que eu queria e até umas surpresas nele foram encontradas, mesmo sendo um pouco desalinhado. 


 Meus pontos negativos foram infelizmente o personagem principal e os capítulos serem bem curtos. A diagramação do livro está bem bacana, a fonte ficou bem legal e tipo, eu queria que o autor descreve mais durante os fatos acontecidos e não focasse apenas no que o personagem desejava. Caso se interesse pelo livro, irei ficar aguardando o seu comentário a respeito e mesmo com toda essa confusão não deixou de ser uma obra fluída.

 "Lembrar é viver novamente o momento, sem saber qual parte é sentimento e qual é acontecimento..."

[Lançamentos] Grupo Editorial Novo Conceito

8 de agosto de 2015
 Oi, galerinha! Yeeah, finalmente uma postagem dedicada aos lançamentos desse mês, e hoje mostro para vocês tudo o que o Grupo Editorial Novo Conceito preparou para os leitores com toda essa contagem regressiva para a bienal! Vamos conferir?

Para Continuar, Felipe Colbert.
224 páginas.
Envolver-se com a jovem Ayako é a oportunidade perfeita para Leonardo César esquecer a sua vida tediosa e perigosamente limitada, tudo por culpa do seu coração defeituoso. Enquanto isso, com a ajuda de seu avô, Ayako tem a difícil missão de manter inacessível um porão de dimensões que vão além da loja de luminárias que ela gerencia, repleto de milhares de lanternas orientais, cujo mistério envolve os habitantes do bairro da Liberdade. A partir dos crescentes encontros entre Leonardo e Ayako, uma nova lanterna surgirá para os dois. Eles terão que protegê-la com afinco, ou tudo que construíram juntos poderá desaparecer a qualquer momento. O que ninguém conseguiria prever é que Ho, um jovem chinês também apaixonado por Ayako, colocaria em risco o futuro desse objeto. E com ele, o sentimento mais importante que dois seres humanos já experimentaram.

Zac & Mia, A. J. Betts.
228 páginas.
A última pessoa que Zac esperava encontrar em seu quarto de hospital era uma garota como Mia - bonita, irritante, mal-humorada e com um gosto musical duvidoso. No mundo real, ele nunca poderia ser amigo de uma pessoa como ela. Mas no hospital as regras são diferentes. Uma batida na parede do seu quarto se transforma em uma amizade surpreendente. Será que Mia precisa de Zac? Será que Zac precisa de Mia? Será que eles precisam tanto um do outro? Contada sob a perspectiva de ambos, Zac e Mia é a história tocante de dois adolescentes comuns em circunstâncias extraordinárias.

Prometo Falhar, Pedro Chagas Freitas
400 páginas.
Prometo Falhar é um livro que fala de amor. O amor dos amantes, o amor dos amigos, o amor da mãe pelo filho, do filho pela mãe, pelo pai, o amor que abala, que toca, que arrebata, que emociona, que descobre e encobre, que fere e cura, que prende e liberta. Em crônicas desconcertantes, Pedro convida o leitor a revisitar suas próprias impressões sobre os relacionamentos humanos. A linguagem fluida, livre, sem amarras, faz querer ler tudo de uma vez e depois ligar para o autor para terminar a conversa . Medo, frustração, inveja, ciúme e todos os sentimentos que nos ensinaram a sufocar são expostos sem pudores. Mergulhe de cabeça numa obra que mostra que é possível sair ileso de tudo, menos do amor. Você escolhe a ordem em que vai ler as crônicas do jovem escritor que tem 21 obras publicadas e é sucesso de vendas em Portugal.

172 Horas na Lua, Johan Harstad
288 páginas.
O ano é 2018. Quase cinco décadas desde que o homem pisou na Lua pela primeira vez. Três adolescentes comuns vencem um sorteio mundial promovido pela NASA. Eles vão passar uma semana na base lunar DARLAH 2 - um lugar que, até então, só era conhecido pelos altos funcionários do governo americano. Mia, Midore e Antoine se consideram os jovens mais sortudos do mundo. Mal sabem eles que a NASA tinha motivos para não ter enviando mais ninguém à Lua. Eventos inexplicáveis e experiências fora do comum começam a acontecer... Prepara-se para a contagem regressiva.

Cinco Dias, Julie Lawson Timmer.
368 páginas.
Até que ponto você estaria disposto a se sacrificar por amor? Mara Nichols é uma advogada bem-sucedida, esposa e mãe dedicada. Ela está doente. Uma doença devastadora. Ela precisa colocar um fim ao sofrimento dos últimos tempos. Scott Coffman é um professor do ensino fundamental que precisa cuidar de um garoto de oito anos enquanto a mãe do menino cumpre pena na prisão. Mara e Scott têm apenas cinco dias para dizer adeus àqueles que amam. Essa talvez seja a maior prova de amor que poderiam dar a essas pessoas.

 Os lançamentos da Novo Conceito para este mês estão bem legais, gostei ainda mais de saber que o selo Novas Páginas voltou para alegrar meu coração, inclusive, Felipe Colbert era um dos escritores nacionais que eu mais estava interessado para ler, e claro, solicitei assim que eles liberam. E aí, foram conquistados por alguma obra citada? Me avisem qual vocês leriam :)

 N O S  A C OM P A N H E   N A S   R E D E S   S O C I A I S