[Resenha] A Playlist de Hayden

28 de agosto de 2015

   
Bom!
Livre: Playlist for the dead | Tradução: Amanda Orlando | Páginas: 285 | Lançamento: 2015 | Primeira Edição | Skoob | Comprar | Livro cedido em parceria pela Novo Conceito.
“Para Sam. Ouça. Você vai entender."

 Olá, gentes! Sim, mais uma resenha, dessa vez é do livro bastante comentado graças as primeiras impressões de alguns blogs e por ser bem divulgado pelo Grupo Editorial Novo Conceito. Para início da resenha, temos uma questão, o que você faria que quando você tentasse acordar seu melhor amigo/amiga ele estivesse morto?

 Isso aconteceu com Sam, um rapaz que nos conta desde o prólogo a sua vivência com o seu amigo Hayden, que após sair de uma festa totalmente chapados, voltando para casa, Sam convidou seu amigo para dormir na sua casa (porque né, o carinha não tava bem de tanta vodca, deitou e dormiu) e ele sabe que Hayden tem um sono bastante pesado, e a sua mãe também achava isso, mas quando o garoto tentou acordar seu amigo acabou que descobriu que Hayden estava morto ~não é spoiler~.



 Percebendo que Hayden não acordara mais, Sam tentou fazer o máximo possível para ajudar seu amigo e outra coisa que ele percebeu enquanto tentava levantar seu amigo, foi um bilhete escrito “Para Sam. Ouça. Você vai entender.", junto com um pen drive recheado de músicas, mas então surge dúvidas ao leitor, por quê uma playlist? 

 Logo nos primeiros capítulos sabemos que Sam não consegue ter pernas para ir ao funeral do seu amigo, parece apenas um sonho, mas acabou virando um pesadelo em sua vida. Curioso com o tal pen drive, Sam, resolve escutar as músicas na playlist e isso favorece com que ele ligue as músicas com algumas situações, outro ponto é que eu achei confuso ter a presença de algumas músicas nos capítulos sem nenhum significado.



 Eu estava com bastante empolgação para conhecer o enredo, a proposta dele me aparentou ser interessante, e traz assuntos totalmente polêmicos, entre eles o bullying, e alguns comentários a respeito sobre ele eram razoáveis, entretanto achei alguns momentos entediantes e caótico, mas em suma foi uma boa história, com momentos de drama e mistério, o final acabou favorecendo para que não deixasse a nota do livro ruim, que por sinal foi surpreendente, mas senti uma falta da escritora falar mais a respeito de Hayden, pois só no início ela foca no rapaz (e pouco na metade, claro).

 A diagramação dessa obra literária é bem chamativa, a capa com os tons azuis me chamaram atenção desde o início e por dentro temos fontes simples mas que acabaram dando um charme no livro. Eu indico esse livro para quem gosta desse gênero, mas não se empolgue tanto para querer adquirir, pense duas vezes, leia outras resenhas e chegue a conclusão, e também mesmo “A Playlist de Hayden” apresentando uma certa quantidade de personagens não atrapalhou em momento algum. O que realmente a leitura mostrou? Foi que mesmo você apresentando um contato próximo com a pessoa, você não sabe o que realmente ela é, e isso acontece até escutar e relembrar alguns momentos ao lado dela.


"As pessoas vão falar um monte de coisas. Algumas dessas coisas serão úteis, outras serão irritantes e algumas vão te dar nos nervos. Mas elas lhe dirão essas coisas porque as ouviram de outras pessoas ou porque acham úteis quando perderam alguém. A intenção é boa."

Um comentário:

  1. Esse livro deve ser demais, quero muito ler. Já está no topo da minha wishlist *oo*
    Adoro finais surpreendentes, espero gostar desse então :)

    Sorriso Espontâneo

    ResponderExcluir

グラスホッパー (gafanhoto), se gostou da postagem e está passando para comentar aqui, desde já, muito obrigado, e lembre-se, boas inspirações! ❤